terça-feira, abril 18, 2017

Os seguidores do quê escondido

           
Admiramos, olhamos de perto-longe, fazemos torcida, somos fãs e tudo o mais que possa fazer peso no fato de seguirmos as pessoas, suas ideias e manias. E quando o mundo interior transparece? Quando conhecemos quem é a pessoa que tanto nos causou disposições de seguir cegamente, o que vem em questão?
              Seguir é o apanágio contemporâneo. Seguir, por que não seguir, o mantra. No intrincado das coisas possíveis, hoje, bem pouco apelo é preciso para se tornar um eleito pela multidão. Algumas características podem ser trabalhadas nesse quesito de atração.
   Pode-se ter uma aura acadêmica e desenvolver argumentos e ideias que o vulgo não compreende lá muito bem, mas que caem de maneira desconcertantemente bem audível, mesmo que não explique muito, mas é coisa de gente sabida, portanto, coisa a ser seguida. Ideia-pedra, que se admira como coisa-ídolo.
              Pode-se lançar mão de recursos comunicacionais. Escrever, ser da televisão, do rádio, do cinema, da internet, essas coisas-meios que provocam exposição e, logo de anônimo, tornar-se alguém que opina para o grande e vasto público que segue, replica, comenta, que é fiel. Fidelidade atualizada por força da postagem cotidiana, feita para renovar tendências, disposições, comentários, novas postagens. O individuo perde até sua característica mais essencial, deixa de ser-se para ser visto como o seguidor de... torna-se grife à sua revelia, será mesmo?
            Pode-se tornar aquele seguidor das máximas politicas úteis de momento. Nada muito refletido, mas de profundidade instantânea. Faça o teste. Observe por ai sobre o que e como se escreve a respeito da politica mais televisiva do momento. Verá que interpretes do cotidiano surgem aos montes e são cada vez mais eficientes em suas articulações de visibilidade.
            Pode-se lançar livros de autoajuda. Filão de muito prestígio, tendo em vista que muitas vezes esses personagens-autores podem figurar em meio diferentes para divulgar suas ideias-obras, na tv, nas redes sociais... E os efeitos são semelhantes: serem cifras, gerar milhões de seguidores, que nem sempre terão lido ou saberão de fato o que fez tal pessoa-número para gerar tanta repercussão.
            Pode-se tornar pessoa instantânea por meio de algum talento descoberto pelos olheiros que por ai estão a buscar novas atrações nos espaços de horários nobres que atrai multidões com outros produtos agregados. De toda forma, variações do mesmo tema.
            Como conviver nesse mundo de ilusões? Iludindo-se ou traçando um caminhar diverso?
            Provocação feita...

*  *
            Num segundo tempo de partida rica em percalços, irrompe um grito confundível com revolta ou mesmo coisa que o valha.
            - De que vale a torcida, se a partida está vendida?
            Quem ouviu não deu muito crédito. Lá no campo estavam dois mundos em luta. Antes o que era parte fundamental maior do que era a província e hoje a província emancipada, representada em seus times. Jogo caro para o simples mortal. Quem pagaria cem dinheiros para ver essa contenda? Alguns poucos para dizerem que estavam lá.
            Partida reiniciada e na bolsa de apostas estatísticas tendiam para os de casa. Grandes em tudo. Mas em nesse tudo vasto, quem viver verá, sempre. Vitória dos visitantes. Coisa mais sem jeito. Como pode ser? Na saída do estádio teve torcedor que ganhou ingresso que disse:
            - Esse foi o jogo que mais valeu a pena pagar pra ver. Com dinheiro dos outros, é claro...
              Placar final...
*  *  *
              Escondidos estão os sentidos dos eventos dos dias. A verdade é uma estratégia de autoengano, dizem. Naquilo que construímos em nosso tempo comum, vida urbana, privacidades, exposições, campesino viver, naquilo que são os propósitos que nos fazem ser. Fortalecemos certas maneiras, opiniões que nem sempre somos nós. Mas por conveniência das relações nos tornamos. Diante disso, o que está lá, guardado, coisa de tempos? O que está lá?
               No exercício da escrita qualquer mistério é terra preciosa. Seus segredos interessam como forma de imaginação de outros mais. Pensar os enredos escondidos de outras vidas. Pensar os resguardos de sociedades.
               Que capacidade tamanha essa de estar em outras vidas por meio de observação e escrita. Um exercício de vivências nada fácil, mas que não tira a vontade de estar sempre em atuação...

*  *  *  *

            As relações amorosas são desafiadoras hoje. Tenho muitas pessoas vivendo coisas afetivas que mereceriam ao menos um conto. Gente casada, gente que quer descasar, gente carente, gente cheia, gente que sonha amorosamente, gente magoada com essas coisas do amor. Amor-amor, amor-paixão, desamor, desejo, vontade, ilusão. Musas e musos por aqui, por ali, acolá. Essas coisas de sentimento-afetividade são mesmo inspiradoras. Existem relações explicitas, dessas mostradas em redes sociais como que para aprovação geral. E existem dessas relações escondidas, guardadas, nas entrelinhas dos dias. Essas são interessantes. São relações dentro de relações. Ou relações dentro de falsas relações. Mas existem aos montes. E aí podemos pensar nas dificuldades das coisas escondidas. O segredo e sua administração. Hoje quase tudo está passível de cair na dimensão do público. E isso é um perigo. E quais os atrativos da coisa em segredo? O olhar em segredo, o admirar em segredo, o desejar em segredo, o segredo de ter alguém, um ou outro alguém, em segredo.
            Vivemos mesmo uma vida liquida, como diria o sociólogo polonês Zigmund Bauman? Amores líquidos? A liquidez do nada certo, sólido, garantido?
            Serão risíveis amores românticos? Duradouros, para sempre?
            Quais as nossas caixas de segredos? O que elas contêm?

Assim como disse Camus: “Vou-lhe dizer um grande segredo, meu caro. Não espere o juízo final. Ele realiza-se todos os dias”.

Respiros:

- Qual o peso dos crimes de colarinho branco em nossa sociedade?
- Cuidado com sua vida a credito!
- Todos os dias descobrindo o escondido...
- Professor, professora, seja afetivo em sala.
- Andas sorrindo ou carrancudo?


terça-feira, abril 04, 2017

Microcontos, I


Seguimos observando o cotidiano, paisagens, pessoas, maneiras, jeitos. Contemplações que tomam os movimentos da vida como chão do olhar, para lançar outros vãos para os ares do tempo mais além...

Edson
        Mais uma vez batera no portão da mesma pessoa que procura sempre que os dias não seguem bem. O de dentro com que espirito viria. O de fora já sabe sua condição. Pedir ajuda, a humilhação dos que não tem, dos que tem muito pouco nessa vida que seja dono. Espera a boa vontade do lado de fora. No mundo de erros já nem espera acertar em nada. Mesmo tendo vários filhos, precisa ver jeito de sustentar as oito bocas. Entre rebentos maiores e menores, todos os dias eram de buscas e quase encontros. E esperava sempre o melhor. O de dentro já avisava e pedia um minuto para já atender e abrir o limite da propriedade. Pensa que mais uma vez reconhece a voz e nem sabe como ajudar, final de mês, nem mesmo os que julgam ter estão assim tão folgados de haveres. Como de costume o portão é aberto. A pergunta que vem do dentro é típica: como estão as coisas, Edson? Não estão bem, vim aqui pedir ao senhor que arrume qualquer coisa, uns sete reais, qualquer coisa. Final de mês, Edson, difícil. Hoje não tenho nada, semana que vem quem sabe. Mas não dá pro senhor arranjar ai um quilo de feijão, farinha pra fazer alguma coisa lá em casa? Por um momento o lá de dentro pensa, dispensa já esvaziando. Pode ser macarrão? Pode ser sim, senhor. Espere um pouco. Entra, deixa o portão entreaberto, leva a chave. Vai pensando nas necessidades alheias, agradece por ter uma vida que não apresenta tanta falta. Busca no armário acostumado a ser abastecido sempre em data regular. Encontra o pacote de macarrão, uma sacola plástica, sente um tanto de alivio por poder ajudar, mas não está convencido disto. Retorna, encontra o mesmo homem envelhecido pelo sol, pelos dias desarranjados. Ele de fora ainda sorri um jeito que mostra rugas de uma juventude que não sabe ser. Diz que o carrinho logo ali abaixo da calçada foi alugado para carregar entulhos, mas que está difícil conseguir trabalho. Carro pesado de duas rodas. Supõe todo esforço do mundo para tão pouco ganho. O de dentro roga sorte, que as coisas vão dar certo. É, vão sim, senhor. Amarra o saco plástico num canto qualquer do carro de madeira. Vê-se o esforço, dá uma volta em si, segue na direção da necessidade. Vai se afastando, sabe lá o que pensa. O de cá se acha no mundo como que a agradecer e lamentar certos destinos. Mas quem sabe o tempo guarda como resposta...


Propriedade móvel fragilizada
              Na subida da ponte a surpresa. Dentro do carro, distraída em pensamentos, confunde os sentidos, estão ali adiante parados ou em movimento, sem resposta. Resposta veio. Choque brusco: um, dois, três. Não mais colidiram por aquele mais adiante logo brecar o carro importado prontamente. Sinistros urbanos. Trânsito parado, descem ao chão da tensão. Um automóvel que vai passando aconselha como a intimidar:
         - Resolvam o problema de você mais lá na frente, o trânsito quer passar.
       Foi assim, foram mais pro acostamento. Segunda descida. Gentes de três carros. Uma moça, aquela dos pensamentos distraídos, já a imaginar o intervalo no tempo normal da vida. E o dia estava sendo bem escrito. Desses pontos no texto cotidiano que chegam sem aviso na narrativa.
            Do segundo carro, um casal com as expressões nada alheias já cumprem o papel de deixarem o dia com o ar azedo dos acordos sem acordos que não livram um pouco o bolso da quem estava por ali a pensar saber lá onde no mundo.
             - Quebrou né? E o semblante mostra um ar onde tudo pode ocorrer, menos o riso espontâneo.
            Do terceiro carro, o branco importado, um alguém de trajes típicos de pessoa que se julga por si só importante. Trajes, carro, jeito de andar, feições, tudo. Olhou em silêncio como quem a reunir provas nos laudos para a sua justa sentença.
      - Como isso vai ser resolvido, da minha parte seja amigavelmente ou em juízo, tanto faz, sou advogado mesmo.
         - Será resolvido, mas vamos ver tudo. Preciso dos seus contatos.
             E vistoriam mais um tanto os autos. Quadro construído para quem vê de perto-longe. Na beira da ponte estava um rapazinho. Acompanhava como quase todo ser vivente que adora um acidente de verdade. Ouve, vê, não participa. A não ser em sua opinião.
              “Aquele quarto carro lá na frente, freou e ninguém viu, um cachorro na rua pode perturbar”.
         Trocaram números, tiraram fotos. Gente vai pra casa pensando naquela viagem que não mais será.

Erros involuntários erros
              O pedido fora feito diretamente no caixa. Duas qualidades de sushis foram escolhidas, mais uma porção de yakisoba para uma pessoa, somente de carne. Alguma bebida refrigerante. Bem confirmado no caixa, tudo: quarenta reais. Pago com cartão de débito, seguem para a mesa. Antes, porém, observam os trabalhos do rapaz que prepara tudo, com ingredientes à mostra como que a dar um ar de credibilidades com parte dos alimentos sendo preparados a olhos vistos dos clientes. Confirmados os jeitos dos pedidos. Ocupam mesa e esperam vendo imagens na tv afixada na parede, sem som audível. Os minutos passam. Passam mais que o normal. Tanto que veem outros pedidos vir ao salão. Decidem chamar o rapaz que atende, que acumula função de preparos. Mas quem vem mesmo é uma moça. Ah, o pedido de vocês. Já está saindo. Traz os sushis. Depois outro chamado para a bebida. E mais espera. Quase acabando o primeiro pedido, decidem chamar novamente. Ah, está chegando. O rapaz de dupla função passa pela mesa carregando um prato repleto e esfumaçante. Para na mesa logo atrás. Não era pra lá o pedido. Rapidamente refaz o trajeto e era finalmente o pedido. Questiona.
              -Yakisoba pra dois, completo?
              - Aqui é pra um, só carne.
              Pensa e parece que percebe algo errado.
              - Não tem problema
              E sai apressado. Pouco depois é possível notar um clima estranho. A pessoa do caixa era o dono, que advertido pela moça chamou o rapaz de dupla função. O erro fora percebido, por todos. O que fazer? A diferença era de vinte e cinco reais. Mas se os que pediram fossem pagar acentuariam o erro do rapaz. E em tempos de desemprego... Ninguém disse nada a ninguém, mas naquela noite todos tiveram parte no erro e muito que o pensar.

Respiros:
- “...andar com fé eu vou, que a fé não costuma faiá...”
- É preciso criar outros mundos possíveis.
- Você pensa sobre o lixo que produz? Pois deveria! Ele é seu!
- Nós temos direitos e deveres. Conhecemos todos?

- Qual foi sua ousadia de hoje?

terça-feira, março 28, 2017

Sobre Livros, #1

              Teremos sempre um melhor caminhar quando livros estiverem entre nós! Desenvolver o práticas de leitura é um dos prazeres potencialmente mais reveladores e ao mesmo tempo perigosos (O que me diz?): diga-me o que lê e conhecerei quem és!
              O que você anda lendo atualmente? Que livros tem sensibilizado seu pensar? O que nesses livros pode ser destacado como fundamento para reflexões que possam dar outros ares e possibilidades a suas sociabilidades? Pensar e questionar, ler e comunicar-se com outras maneiras de entender os mundos possíveis. Mas o que ler? Desenvolver critérios de escolha do que bem ler é um aprendizado, um letramento, uma forma de separar o que merece atenção, como fontes importantes de formação e informação, daquilo que é fruto mercadológico, moda, leituras de superfície.
              Com formatos materiais e digitais a leitura torna-se mais acessível. Seja de forma paga ou gratuita existem fontes e indicações para todos os gostos. Esse é ponto importante, é preciso lapidar os gostos de leitura, selecionar, qualificar leitores. Os processos de leitura não devem ser mecânicos, abusivos, compulsórios, chatos. Precisamos criar leitores que sintam prazer no ato de ler, que sejam críticos, que sejam independentes para escolher, exigentes com o que se oferece, leitores amantes de livrarias de boa qualidade e bibliotecas de igual natureza. Diante disso, algumas indicações...

Susan Sontag: Entrevista completa para Revista Rolling Stone por Jonathan Cott, editora Autêntica (2015). Famosa por suas opiniões a ativismo político, Susan Sontag, encarna posicionamentos polêmicos, atuações e produções em campos os mais diversos. É uma dessas pensadoras que definiram maneiras de pensar. Escritora e critica de arte deixou atuais reflexões: Sobre Fotografia, obra de 1977; Doença como metáfora, de 1978; AIDS e suas metáforas, de 1988, para apontar algumas obras cujo teor aponta possibilidades. A doença é tema recorrente em sua reflexão, a escritora morreu em 2004 em decorrência de leucemia. O tema é, portanto, um contexto de reflexão em sua prosa, algo entre o estético, o filosófico e o iconoclasta. Nessa longa entrevista dada à revista Rolling Stone (ocorrida no ano de 1978 e publicada, em parte, em outubro de 1979), Sontag desvenda caminhos sobre o pensar. O entrevistador Jonathan Cott é arguto, consegue extrair preciosidades de Sontag. Quando questionada sobre o espirito do pensamento dos anos setenta, por exemplo, a escritora diz: “Acredito que o mundo deveria ser um lugar seguro para as pessoas marginais. Uma das principais coisas que deveria definir uma sociedade é permitir que as pessoas sejam marginais(...) Mas em vez de nos tornarmos cada vez mais burocráticos, padronizados, opressivos e autoritários, por que não permitimos que mais e mais pessoas sejam livres”. Os temas se sucedem em ritmo e profundidade, é um livro pra se ler com paciência e reflexão. Com o formato de entrevista, não se deve confundir, no entanto, a coloquialidade com falta de apuro nas falas. É um texto de horas de bom debate e referências. Para quem é afinado em contextos e pensamentos, e boas conversas, segue indicação.
 
Fantoches/ Outros contos, de Erico Verissimo (Editora Globo, 1972). Quando tem outro gosto ler os livros da biblioteca dos outros. Sobre o autor dessa obra, figura consagrada, o que dizer? Quem não leu, precisa ler! Esse é o primeiro livro de Verissimo, publicado em 1932. O curioso nessa edição é que o primeiro texto, Fantoches, compõe uma série de textos menores, em geral com formato de diálogos teatrais onde em revisão o próprio autor fez comentários manuscritos, ou feito à máquina de escrever, ao lado do texto original, com desenhos e inclusões onde brinca com sua própria produção. Esse brincar é acerto de contas jocoso, um sarro que tira de certas passagens e pontos que faz o leitor acompanhar o que foi o amadurecimento de uma mente criativa. Essa obra faz parte de uma coleção com a produção literária de Verissimo. Minha meta é chegar ao menos a metade da leitura até o final do ano. Alguns livros já foram lidos. Fiz uma aposta com a dona da coleção. Querida Márcia Melém, será que conseguiremos? Beber de outras fontes e bibliotecas é fundamental...

Jimi Hendrix, as histórias por trás de cada canção, de David Stubbs (Editora Madras, 2014). Seguindo uma orientação editorial de comentar a produção musical de grandes criadores esta obra explora canções do grande guitarrista. É desses livros que sugiro ler ouvindo as canções, observandos-ouvindo-percebendo-vendo as nuances e contextos referidos. As influências, ambientes e temas são discutidos valorosamente. Para quem aprecia essa musicalidade é uma bela obra de referência. Segue com belas ilustrações. Em tempos digitais não é nada difícil encontrar a obra de Hendrix e fazer assim uma leitura-audição em complemento.  

Sublime Expiação, Divaldo Franco pelo Espírito Victor Hugo (Editora FEB, 2010).  No vasto e valoroso campo das obras psicografadas esta compreende um belo registro da mentalidade do além-túmulo a partir do espírito de Victor Hugo. Enquanto encarando Hugo construiu incomparável obra com títulos como Os miseráveis (1862), Os trabalhadores do mar (1866), Torquemada (1882) para citar algumas. No presente livro temos mais um romance real de vidas que compuseram dramas terrenos. E como bem aponta Hugo em carta igualmente psicografa, datada de 1973: “vidas são experiências que se aglutinam, formando páginas de realidade. Lições que compõem romances, novelas, tragédias, merecem recontadas, qual manancial de aquisição simples, para edificar outras existências na ramagem terrena, que representa elevada concessão divina para o milagre transcendente da evolução”. Muitas vezes por meio da doença conhecemos os processos de melhoramento e evolução, na maioria das vezes não entendemos porque somos acometidos por males físicos. O personagem principal dessa obra, Lucien, tendo que conviver com Hanseníase, acaba por aprender duramente os benefícios da expiação para o caminho do melhoramento... Leitura edificante, recomendo.

             
Respiros:
- Mataram a CLT?
- Hoje é dia do Cacau! Lembra...
- Cuide ao menos de um bichinho, cuide de plantas, cultive o amor.
- Não deixe o tempo e o dinheiro serem seus senhores.

- Já praticou sua caridade do dia? Desinteressadamente, não esqueça!

Artigo originalmente publicado no jornal A Gazeta, em Macapá, Amapá, no caderno Camarim, em 26 de março de 2017.